Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Política à Portuguesa II

por Fulano de Tal, em 09.09.14

O momento alto do debate foi mais ou menos assim. António Costa diz que um dos erros crassos da direção de Seguro foi o ter-se abstido na votação do orçamento de 2012. Deveria, segundo ele, ter votado contra um orçamento que se demarcava do memorando de entendimento da Troika, prometendo ir além deste.

António Seguro, sacando de um maço de folhas, recorda António Costa, que naquela altura ele tinha defendido na Quadratura do Círculo, precisamente o contrário, e cita-o em afirmações comprometedoras.

Confrontado com a mentira, Costa saca do argumento mágico: “Não faças de uma árvore a floresta!”. É o mesmo que ser apanhado na cama com a irmã da mulher, e só porque ela tem mais 4 irmãs, duas delas gémeas caçulas, alegar que só com aquela não se pode tirar nenhuma conclusão de adultério incestuoso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tatuagens aos 70

por Fulano de Tal, em 09.09.14

Deu-me que pensar o cachaço tatuado daquela senhora. “Selma”, em letras estilizadas.

Até podia ser o nome da filha, mas enquanto a observava um bom par de metros atrás dela, só me ocorria que seria o nome de uma companheira que naquele preciso local lhe fazia sentir o hálito quente ou um arfar ofegante. Ou ambos.

Este quadro seria inclusivamente excitante, não fosse pela camisola tricotada da septuagenária.

É bastante injusto as tatuagens perdurarem para além da firmeza das carnes. Revoltante ver a rebeldia aprisionada em crochet. Isto, e só isto, me fez abandonar de vez o sonho antigo de tatuar uma caveira armada até aos dentes na nádega esquerda.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Politica à Portuguesa

por Fulano de Tal, em 09.09.14

António José Seguro entra na TVI atrasado como as noivas que querem dar nas vistas. Esperou no carro que o noivo entrasse primeiro. A única pessoa que cumprimentou foi a rececionista, e apenas depois de verificar que estava em direto. Depois agradeceu magnanimamente aos muitos portugueses que lhe enviaram mensagens para o telemóvel a sugerir panaceias para a perda da voz. Uma colher de mel, por exemplo. É tão credível esta pessoa tão importante dar o número de telemóvel a tantas centenas de Portugueses anónimos. Vou ali vomitar e já volto para o resto do debate.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor